domingo, 30 de setembro de 2018

Relato | Sob o Foco do Fogo no Céu | OVNI

“Uma história verdadeira que nunca vou esquecer”

Na noite escura de 30 de setembro de 1979, uma menina recém-nascida era carregada pela mãe, a caminho de casa no sítio Lagoa de Pedra, vindos a pé depois dos dias de resguardo na casa dos avós maternos, em Esperança/PB.

...
Ana Cristina, a menina de apenas 30 dias, no colo da mãe, Maria José, pelos caminhos estreitos da Zona Rural, jamais imaginaria o susto pelo que passariam seus pais, muito menos que consequência teria para ela e para eles.

Anselmo Faustino de Melo, o pai, conduzia um baldinho de querosene e o candeeiro, à frente, para clarear o caminho, sem sequer olhar para trás, pois o cheiro de leite materno o incomodava. A mãe seguia seus passos com medo de aparecer alguma coisa. Àquela época, animais, lobisomem, a Porca, o Homem-nu, o Paga-figo e os flagelados da Seca preocupavam mais que os assaltos dos anos mais recentes.

De repente, a noite começa a clarear, mas não era a lua que saíra por trás das nuvens, era um ponto luminoso que crescia e, à medida que se aproximava, tomava os céus, ofuscava, amedrontava. “Era uma bola de fogo no céu”. Não entendendo de que se tratava, vendo o clarão ficar cada vez mais forte, só restava correr.

Faustino, sob o foco do fogo no céu, larga tudo ao ouvir da esposa que já não aguentava correr e carregar a garotinha. Ele, então, segura a menina com um braço e ampara a esposa com o outro e prosseguem céleres e amedrontados.

...
Entram em casa sem saber como. Depois de arrancar bruscamente as chaves da reata das calças e, vendo todo o ambiente iluminado, corre Faustino para travar as portas e janelas, enquanto a luz invade sua casinha, pelas frestas das portas e os buracos no telhado. Maria José se recolhe, chorando, sem fala e tremendo de medo, mas protegendo a pequena Ana, apesar de uma dor no peito.

Faustino, que nunca fora de mentir, destemido, corre à garapa de açúcar para Maria José, até que volta o negrume da noite, mas não conseguem dormir. A luz se fora tão misteriosamente como chegara durante a caminhada.

Na manhã seguinte, comentando com a vizinhança, Faustino e Maria José confirmam a aparição, dando conta do balé das luzes nos céus do inselberg de Lagoa de Pedra. Ao longo de muitos dias, os relatos se repetiam e o medo de sair à noite tomou conta do lugar.

Até hoje, Maria José, lembra com detalhes aquele dia e se arrepia ao falar do fato. “Uma história verdadeira que nunca vou esquecer. Já faz 38 anos e 10 meses. Ainda hoje quando saio à noite olho para o céu; até um avião me assusta” admite, e completa “não desejo pra ninguém o que passamos”.

...
(Relatos coletados entre junho e julho de 2018, pela colaboradora Ana Lúcia de Andrade Faustino; Ilustrações: Carlos Enjel e Vitório Lins)

3 comentários:

  1. Carlos Enjel, via Facebook: Muito bom, amigo Evaldo!

    Vitório Lins dos Santos, idem: Valeu amigo Evaldo, na pequena prosa na feira saiu essa ilustração.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Ana, um prazer. Que tal contar algo mais desse fato? Não pela lembrança do vivido, claro, mas pelo que ouvia seus pais contando?!

      Excluir

Capas | A Ovelha Perdida | EBCA*

2018........................................ ... SD Mais um trabalho de pesquisa de Rau Ferreira publica em *e-book e disponível para impres...