Mostrando postagens com marcador Dança. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dança. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Performance | Dança da Peneira | MNSA*

2009
...
JUN09 No São João de Todos de Esperança/PB, o Grupo Xique-xique, o *mais novo a surgir por aqui, dá seus primeiros passos.
IMAGENS&EDIÇÃO: e-Brasil Reggaval.

domingo, 6 de outubro de 2019

Performance | Dança da Araruna | DSPP*

2009
...
JUN09 No São João de Todos de Esperança/PB, o Grupo Xique-Xique, o mais novo a surgir por aqui, *dá seus primeiros passos.
IMAGENS&EDIÇÃO: e-Brasil Reggaval.

terça-feira, 12 de junho de 2018

Personagem | Faísca Jackson | TO12*

2005..............................................
...
SD Em 2005, tendo como escada o amigo Alexsandro Júnior, no Trans Circo Tropical.
FOTO: Giusep Rayrone Cavalcanti. TRATO: Evaldo Brasil.
..............................................
...
SD Aqui, com um segundo figurino.
FOTO: Giusep Rayrone Cavalcanti. TRATO: Evaldo Brasil.
..............................................
...
SD Aqui, tendo o apresentador Ziul Cavalcanti como escada.
FOTO: Giusep Rayrone Cavalcanti. TRATO: Evaldo Brasil.
..............................................
...
SD Aqui, fazendo selfie com um parceiro de palco.
FOTO: Giusep Rayrone Cavalcanti. TRATO: Evaldo Brasil.
2006..............................................
...
SD *Tiago Oliveira, um dos nossos mais criativos artistas circenses, desde os 12 anos faz esse personagem, tendo atuado, dentre outros, no Trans Circo Tropical, de Zil Cavalcanti. 
FOTO: Giusep Rayrone Cavalcanti. TRATO: Evaldo Brasil.

terça-feira, 1 de maio de 2018

Personagem | Bastinho Presley | ACDR*

2018
...
26ABR18 *Ativista cultural, especialmente do movimento de dança de rua, também conhecido como B-Funk, é uma das figuras que se destacam pela dedicação àquilo que escolheu: a dança.
FONTE: Bastinho Presley, perfil no Facebook. TRATO: Evaldo Brasil.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Especial | Sarau Inaugural da Quero Mais | FIC

2016
10NOV16 Último sarau do ano do Fórum Independente de Cultura/FIC, que acontece em mais uma parceria com a AAQM. BANNER: Evaldo Brasil.
...
20NOV16 Primeiras presenças do Sarau Inaugural da AAQM, em parceria com o FIC. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
ATA REGISTRO
Lista de presença do Sarau Inaugural, realizado pela parceria FIC/AAQM, na inauguração da sede própria da Associação Afro-cultural Quero Mais, aos 20 de novembro de 2016. Fórum Independente de Cultura. Após a última das assinaturas, faremos o devido registro. (Ass)

Pelas 15h30, como agendado, fez-se fotografia registrando as primeiras presenças (acima), destacando a fachada da sede própria da Associação Afro-cultural Quero Mais/AAQM. O livro de atas circulou, coletando as assinaturas dos presentes. Evaldo Brasil e Antonio Marcos Viturino de Souza, pelo FIC e pela AAQM, respectivamente, montaram e anunciaram o roteiro da tarde.

Evaldo Brasil, atuando como mestre de (sem) cerimônia fez a fala inicial, explicando o funcionamento do Sarau; Marquinho Pintor fez pequeno histórico da Quero Mais e convidou a todos a serem parceiros nessa empreitada, informando do início das oficinas de confecção de Ala-ursas, a partir de dezembro, considerando a iminência do Carnaval, um dos momentos mais intensos da entidade.

A primeira apresentação se deu pelas meninas do grupo de dança da AAQM, que fizeram dois números, incluindo “Paraíba, Joia Rara”, de Ton Olivieira; Evaldo Brasil apresentou seu primeiro cordel (C49-001) “Se essa rua fosse minha”. Enquanto isso, a professora Enilda Marcelino e alunas da EMEF Dom Manoel Palmeira, finalizavam e apresentaram uma reflexão e o poema “Consciência Negra” através de Thalya Eslene Guedes Costa (6º Ano). Delas ficaram trabalhos em mosaico, expostos junto ao acervo da Quero Mais.

Brasil convoca os que não assinaram a Lista de Presença/Livro de Ata para fazê-lo, lembrando que fazer as coisas sem documentar é o mesmo que não fazer; dizendo em seguida um poema “Afro-desejo” do esperancense Egberto Vital (Sinestesia, AgBook, 2011).

Pai Fernando de Logun Edé, representante do Candomblé, é convidado e fala sobre intolerância religiosa, historiando a sua tradição, distinguindo de assemelhados, a exemplo da Jurema e da Umbanda; desmistificando expressões e atribuições que refletem um quadro de ignorância que vem diminuindo, mas ainda existe.

Brasil, enquanto se definia a próxima fala, apresenta Silvino Olavo, com o poema “Alegria Interior”; convoca Mãe Ana da Oxum, representante local do Candomblé, que tratou dos momentos de preconceito e discriminação que já sofrera. Porém, como resume sua prática religiosa enquanto um culto ao Amor, sendo muito feliz por isso, recomenda que todos persigam a felicidade, cultuando o amor, independente da religião que professem.

Marriet Delon, também ligada ao candomblé, se colocou como representante do movimento LGBT. Homenageando Elsa Soares, em sua caracterização, apontou que o preconceito mata mais que qualquer doença. E convocou as meninas, a partir da organização dela na Quero Mais, a participarem de futuro concurso Garota Quero Mais.

Beilza Pessoa, por sua vez, faz depoimento quanto à importância do espaço que se abre para a comunidade com a inauguração da AAQM, estimula as meninas do grupo de dança ao parabeniza-las e remete às escolhas, evitando a exposição do corpo e estímulo precoce da sexualidade.

Severino do Ramo, percussionista, se despede por ter que estar em Campina Grande ainda na noite do domingo, sugerindo agendar na UEPB cursos de dança e instrumentos de sopro, cujas inscrições estão abertas até dezembro, e que a iniciativa local será acolhida pela universidade gratuitamente.

Thallys Araújo, membro da iniciativa Quero Mais, apresenta material sobre a primeira juíza negra do Brasil, Luislinda Valois, como exemplo para ele. Ela resolveu ser juíza quando recomendaram que fosse ser cozinheira, pra preparar feijoada pra branco. Ele, que hoje trabalha para um escritório de advocacia, quer seguir a carreira dos patrões e estuda para isso. Em seguida, cantou uma ladainha de capoeira.

Para encerrar o sarau, as meninas da Quero Mais se dividiram em três subgrupos e fizeram apresentações competitivas: Patricinhas, Campeletes e Princesinhas, ganhando este último, sob o julgamento de sete jurados, por voto simples da que acharam melhor.


Pelas 17h30, como previsto, foi dado por encerrado o Sarau Inaugural, quando fora feita uma segunda foto oficial (abaixo), fixando a presença dos que assim quiseram. Nada mais havendo a registrar, eu Evaldo Pedro da Costa Brasil, finalizo esta. Esperança/PB, em 20 de novembro de 2016.

...
20NOV16 Últimas presenças, dos que quisera fixar o registro. FOTO: Beatriz dos Santos Silva. TRATO: Evaldo Brasil.

sábado, 27 de agosto de 2016

Especial | Sarau das 10 Presenças | FIC*

2016
27AGO16 As presenças do Sarau do *Fórum Independente de Cultura/FIC. FOTOS: Evaldo Brasil & Marquinho Pintor.

A TÍTULO DE REGISTRO

Registro do Sarau do FIC (Fórum Independente de Cultura), Edição 2016.4, em 27 de agosto de 2016, denominado “Sarau das 10 Presenças”, realizado na Câmara Municipal de Esperança. 

Após a última das assinaturas dos presentes, (em livro listados) registramos o que segue. 

Pelas 19h já se encontrava no local o vigilante designado, o senhor Luciano da Silva Pereira. Aguardamos, juntos, a chegada de mais alguém estabelecendo como limite às 20h, quando, sem ninguém mais, fecharíamos a casa e seguiríamos cada um para a sua. 

Depois da espera regada a temas diversos, chegaram as meninas do que fazem a dança na Associação Afro-cultural Quero Mais/AAQM, devidamente acompanhadas do coordenador Antonio Marquinho Pintor Viturino. Apenas um frequentador viera ao Sarau, interagindo conosco a cerca dos apelidos, Marinildo dos Santos, apresentando um dos que já fora tratado para relaxar as meninas que, em algum momento, pareciam desconfortáveis no tratamento entre si. 

Dado inicio formal, a pauta foi montada para tratar de rima e dança. Evaldo Brasil aplicou exercícios, improvisando quadras a partir dos nomes dos presentes. Em seguida, depois de alguns tentarem rimar, chegou o momento da apresentação de dança. As dançarinas da AAQM apresentaram dois números, coreografados por elas, um especialmente dedicado à Paraíba (a partir Paraíba, joia rara, de Ton Olivieira), cantada à capela. 

Dando por encerrado, fizemos as fotos oficiais, para publicação nas redes sociais e no Boletim Virtual Lautriv Mitelob. Nada mais havendo a registrar, senão as justificas ausências de Rau Ferreira e Fernando Virtuosi; agendamento para novo sarau em 20 de Novembro, por ocasião da inauguração da sede da AAQM, finalizo este. 
Evaldo Pedro da Costa Brasil. Esperança/PB, em 10 de setembro de 2016.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Cultura | Consciência Negra | PQMP*

2014.........................................

Parceria entre Quero Mais e Prefeitura realiza evento no Dom Palmeira

Professor “Morcego” e alunos da Escola Afro-nagô oferecem aula-espetáculo

...
No último dia 20 foi comemorado nacionalmente o Dia da Consciência Negra, data em que se registra a morte de Zumbi dos Palmares, em 1695, símbolo maior de afirmação das raízes afro-brasileiras. 

Esperança, em cumprimento ao Plano Municipal de Ação do Selo Unicef (2013-2016) realizou nesta quinta-feira, 27, o Encontro Cultura & Consciência Negra. Na ocasião, a Associação Afro-cultural Quero Mais (http://grupo-queromais.blogspot.com.br/) foi anfitriã da iniciativa da Escola Afro-nagô de Capoeira, Campina Grande/PB (http://afronagocg.blogspot.com.br/), quando o professor Evaldo Batista “Morcego” esteve tratando da implantação da Lei 10.639/03 nas escolas, sobre a História e Cultura africanas na grade curricular.

O evento aconteceu na EMEF Dom Manoel Palmeira, à tarde. Além da palestra, contou com uma grande roda de capoeira, precedida de Maculelê e Coco de Roda do grupo Tirinete de Coco.

...
SAIBA MAIS:
Montada a infraestrutura necessária pela Prefeitura Municipal de Esperança, através da Secretaria de Educação e Cultura, os integrantes da Escola Afro-nagô de Capoeira, oriundos de Campina Grande, conheceram parte de Esperança ao irem almoçar no restaurante Bem Quentinha, no bairro Lírio Verde, de lá voltando a pé, caminhando pelas ruas da cidade entre o antigo Hospital Geral e a EMEF Dom Manoel Palmeira, local do evento.

Às 14h30, Evaldo Brasil deu início ao encontro Cultura & Consciência Negra, compondo a mesa com a vice-prefeita, senhora Roxana Costa Nóbrega, a subsecretária de Educação e Cultura, professora Carmery Monteiro, o Secretário de Assistência Social, Cizinho Dias, o Diretor da Associação Afro-cultural Quero Mais, ativista Marquinhos Pintor e o professor e palestrante do dia Evaldo Batista "Morcego".

Abrindo o evento, alusivo ao dia 20 de novembro, a vice-prefeita fez registro da importância histórica da luta de Zumbi dos Palmares; Marquinhos Pintor, anfitrião, considerou a necessidade da data não passar em brancas nuvens, o esforço dos parceiros da Seduc e a disposição do palestrante em cooperar com o movimento em Esperança.

Evaldo "Morcego", professor da Afro-nagô, reviu a trajetória dos negros escravizados ao longo da história da diáspora até Brasil, o período escravista e pós-abolição, defendendo a inclusão do tema no currículo escolar, em cumprimento a Lei 10.639, sem as idealizações romantizadas dos pintores europeus que a registraram. Ademais, apontou a importância do resgate histórico que se dá a partir de programas sociais como o Bolsa Família e a lei das cotas em concurso público federal. Em sua fala, noticiou que na terça-feira, a Capoeira fora reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, anúncio feito em Paris.

No momento de tirar dúvidas do público participante, "Morcego" explicou que a questão da Consciência Negra não diz respeito apenas a cor de pele, mas de identidade cultural, vez que o Brasil é uma nação negra por sua história e pelas estatísticas atuais que refletem a miscigenação. A professora Socorro Aparecida, quem por anos esteve a frente do projeto Britador em Ação, considerou que já trata a temática em sua sala de aula, mas lamentou não a ver ainda como conteúdo tratado por todos e pediu maior esforço neste sentido aos membros da equipe pedagógica presente. 

Os presentes também tomaram conhecimento do sistema de graduação usado na capoeira, desde as cordas atribuídas às crianças até a que só os mestres alcançam depois de toda uma vida dedicada à capoeira e suas nuances rítmicas, históricas, de canto, de dança e instrumentos; dúvida levantada pelas coordenadora pedagógicas Joselice Barbosa e Fabiana Marinho

Costurada de alusões àquela produção cultural, essencialmente negra e referências à miscigenação especialmente com a cultura indígena, a palestra foi seguida de apresentações artísticas e como não poderia deixar de acontecer, uma roda de capoeira.

A Escola Afro-nagô/Tirinete de Coco apresentou números de maculelê, coco de roda e de resgate do cancioneiro popular referente à temática. Na roda de capoeira, apresentou os estilos Regional e Angola e jogou-dançou-gingou-cantou com o Grupo Quero Mais.

O auditória da EMEF Dom Manoel Palmeira esteva lotado de alunos da RME, do Mais Educação e seus monitores atendendo ao previsto no Plano Municipal de Ação para defesa da criança e do adolescente, edição 2013-2016 do Selo Unicef; em evento que só terminou às 17h da quinta-feira, 27 de novembro de 2014.

CURTA E COMPARTILHE:

...
SAIBA AINDA MAIS:

TIRINETE DE CÔCO

Grupo realiza releituras de músicos do cancioneiro nordestino

Fundado em Fevereiro de 2012, pelos músicos e ativistas culturais Evaldo Batista (Morcego), Samarone Moura, Willians Cabral, Luan da Costa e Aslan Costa, o grupo Tirinete, vem levando ao público, muito côco de roda, ciranda e outros ritmos populares de nossa região. 

Além de músicas próprias o grupo Tirinete, tem como proposta fazer releituras de artistas importantes da música popular nordestina, mas que são pouco conhecidos pelo grande público. Dessa forma o grupo recebe influências diversas, como Jackson do Pandeiro, Zé do Norte, Biliu de Campina, Jacinto Silva, Luiz Gonzaga entre outros.

“O que nos levou a formar o Tirinete, foi a vontade de evidenciar o cancioneiro da cultura popular, por isso em nossos shows tem muita música de domínio popular que estão no repertório de grupos tradicionais de côco de roda do nosso estado, como a Caiana dos Crioulos, Odete de Pilar, entre outros. O Tirinete é esse mistura cultural cantada e dançada, que infelizmente, a cada dia é menos valorizada”, afirma Evaldo Batista (Morcego), vocalista e panderista do grupo.

Mesmo com pouco tempo de palco, o grupo já vem colhendo bons frutos, recentemente recebeu o prêmio de “Grupo Revelação 2012” na 4° edição do Overdose, realizado pelo SESC Paraíba. Além do Overdose o grupo, foi a atração principal do encerramento da semana de Oficinas do Museu Vivo do Cariri e também do São João Multicultural do Bar do Tenebra. O Tirinete também já ultrapassou as fronteiras do estado da Paraíba e participou do programa “Pernambuco Cultural” do Mestre Lua de Olinda, que está disponível no https://www.youtube.com/watch?v=huCfS215L7Q&feature=fvsr

...
No mês de novembro o grupo está com a agenda bem movimentada, de 07 a 11 estará participando da 6° edição da Semana de Cultura e Arte de Sumé (SeCas), no dia 23 o grupo participará da Virada Cultural, promovida pelo DCE da Universidade Estadual da Paraíba e para fechar o mês de apresentações, o grupo será uma das atrações do Festival de Música de Raiz, promovido pelo SESC Paraíba.

Para outras informações sobre o grupo basta acessar o perfil no Facebook 
e curtir a Fan Page do no link 

FONTE

sábado, 29 de novembro de 2008

Performance | A Munganga do Siri Barbado | EBCJ

POSTAGEM 038
2008

NOV08 Se todo mundo faz a dança do siri, por que não Nando Reis Cover?
IMAGENS: Celestino Junior (Filmado com um Nokia 2630). EDIÇÃO: e-Brasil Reggaval.
(Editado originalmente via Windows Movie Maker. Reeditado via YouTube.)

Arquitetura | Quatro Pisos | DPC*

2021........................................ ... 26JAN Registro na contraluz de fim de tarde, vista do lajeiro da Capelinha, com quem compet...